Ver todos >

Parque Tecnológico, Agriw, MakeWise e Newoxygen na Web Summit 2017

11752140_1008834042468633_8217545346352756131_n
É já considerado o maior evento mundial de startups e empreendedorismo do mundo e o Parque Tecnológico de Óbidos vai lá estar. Na Web Summit 2017, que decorre de 06 a 09 de novembro em Lisboa, três empresas do parque tecnológico marcam também presença: Agriw, MakeWise e Newoxygen.

“É o maior e mais importante marketplace tecnológico da Europa e o Parque Tecnológico terá três das suas empresas presentes”, refere Miguel Silvestre, diretor executivo do Parque Tecnológico de Óbidos. “Este é um facto da maior relevância e demonstra que há uma economia digital a crescer no Oeste e que é reconhecida com estas presenças neste evento gigantesco. É um prémio merecido para os empreendedores destes projetos que trabalham a partir de Óbidos num mercado ultra-competitivo”.

Inteligência Artificial para a Agricultura

Entre as startups portuguesas que vão estar na Web Summit está a Agriw, especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para o setor agrícola.

À edição deste ano levará os mais recentes desenvolvimentos do sistema Agrozapp, um conjunto de “novas ferramentas que visam tornar o trabalho agrícola mais eficiente”, ao mesmo tempo que simplificam e rentabilizam o trabalho dos produtores agrícolas, explica Ricardo Cardoso, CEO/Founder da Agriw.

Para este empreendedor, o evento Web Summit veio “mexer” com o mercado tecnológico em Portugal, e está a criar oportunidades que importa valorizar. “Ao nível dos investidores nacionais e das grandes empresas nota-se um empenho especial na implementação de novas estratégias, na angariação de capital e na criação de incubadoras, com o objetivo de criar mais e melhores relações com outras empresas internacionais e eventuais co-investimentos”.

“Passámos a estar ‘no mapa’”, refere por seu turno Gonçalo Abreu, CEO da MakeWise, para quem “esta é uma oportunidade única para conhecer potenciais investidores e parceiros e tomar contacto com as tendências tecnológicas para o futuro”. “O mundo está a tomar contacto com o que fazemos de melhor e arrisco a dizer que a ficar agradavelmente surpreendido com a qualidade e grau de inovação da nossa engenharia”.

“O impacto também se está a sentir com a atração para o país de várias entidades e empresas internacionais e com a realização de outros grandes eventos. Claro que também existem aspetos menos positivos nesta tendência como por exemplo a maior competição por recursos qualificados que já eram insuficientes para responder completamente às necessidades do mercado”, aponta.

Ponto de encontro com líderes e investidores

Ponto de encontro entre players de referência no setor, a Web Summit será para a Newoxygen uma “oportunidade para se encontrar com líderes empresariais e investidores de topo, que vão estar excecionalmente – e muitos pela primeira vez – nessa semana em Portugal”, refere Paulo Sábio, CEO da tecnológica.

A ocasião será também aproveitada “para fazer networking com empreendedores de outros países, de onde poderão nascer eventuais parcerias”. “Pretendemos acima de tudo marcar presença na maior montra europeia de tecnologia e inovação e, se possível, obter apoio para o nosso projeto de inovação tecnológica wInvoice”.

A Web Summit decorre de 06 a 09 de novembro em Lisboa. Levará à capital mais de 60 mil pessoas de mais de 160 países.

Futuros programadores visitam Parque Tecnológico

IMG_3273

O Parque Tecnológico de Óbidos recebeu sexta-feira 24 alunos do curso profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos da Escola Profissional de Rio Maior.

A visita da turma de 10º ano, que decorreu durante toda a manhã, fez parte de um estágio de três dias, dinamizado com o objetivo de aproximar os alunos de diferentes contextos profissionais.

Além de ficarem a conhecer o Parque Tecnológico de Óbidos, a sua missão e o papel que desempenha no apoio às empresas de base digital e tecnológica, os alunos tiveram também a oportunidade de contactar com algumas das empresas aqui instaladas: Softpack, Newoxygen Consultoria Informática, Tecdoor – T-It Soluções Empresariais Lda, MakeWise, PerforMarkt e Pixels Brand.

Encontro de networking abre caminho a projetos na área das agro-tecnologias

Encontro PTO_03

A criação no distrito de um grupo de trabalho centrado no desenvolvimento de projetos tecnológicos para a Agricultura foi uma das metas traçadas no encontro de networking “Óbidos + Leiria – Distrito 4.0”, que decorreu sexta-feira, 13, nos Edifícios Centrais do Parque Tecnológico de Óbidos.

Para o efeito serão capitalizadas as competências de empresas do Parque Tecnológico de Óbidos com projetos no domínio das agro-tecnologias, juntando-as a empresas do COTHN – Centro Operativo e Tecnológico Hortofrutícola Nacional e à capacidade de investigação e conhecimento do Instituto Politécnico de Leiria (IPL).

Uma estratégia para o talento na região

A criação de uma rede de parceiros capaz de fomentar a cooperação entre empresas e de aproximar a indústria digital das indústrias tradicionais foi outro dos desafios deixados neste encontro. O evento, promovido pelo Parque Tecnológico de Óbidos e pela Nerlei – Associação Empresarial da Região de Leiria com o objetivo de projetar o futuro de um distrito 4.0, colocou em evidência o potencial da região de Leiria na área da inovação e da digitalização, mas também a maior das fragilidades: a escassez de recursos humanos qualificados nas áreas tecnológicas.

Unânime foi o reconhecimento do importante papel que o IPL tem desempenhado nesta matéria, apontado aliás como a única instituição com visão para o potencial do distrito. “O IPL foi a instituição que mais cedo apostou, por exemplo, em cursos técnico-profissionais. Ao fim de dois anos temos alunos aptos a programar. A questão é que um aluno com dois anos de formação tem limitações naturais, não podendo por isso produzir o mesmo que um estudante de Mestrado”, explicou Nuno Rodrigues, investigador e professor do IPL.

Neste encontro de networking foi também aberto caminho para que o Parque Tecnológico de Óbidos e as empresas da região, em parceria com o IPL, criem novas formas de ensino e de treino complementares aos currículos das licenciaturas e mestrados, que permitam aos alunos e recém-contratados ter uma entrada mais facilitada no mercado de trabalho.

A participação de empresas e do Parque Tecnológico nas reuniões do grupo TICE.Leiria (que envolve e mobiliza toda a cadeia de valor na área das Tecnologias da Informação, Comunicação e Eletrónica) de forma a potenciar a integração entre os dois pólos, e o aumento da complementaridade entre programas de incubação e aceleração de negócios tanto do Parque Tecnológico como da Nerlei, foram outros dos objetivos traçados neste encontro.

“Arrisca C” volta a premiar jovens empreendedores

ArriscaC
Já arrancou a primeira fase de candidaturas ao “Arrisca C”, concurso de ideias e planos de negócio liderado pela Universidade de Coimbra e que tem, entre os seus parceiros, o Parque Tecnológico de Óbidos.

O “Arrisca C”, na sua 9ª edição, é dirigido a estudantes e recém-diplomados (há menos de cinco anos) de qualquer instituição de Ensino Superior do país que tenham um projeto e que queiram colocá-lo em prática, sendo dada total liberdade de escolha quanto ao tipo de oportunidade de negócio a candidatar.

Os candidatos poderão escolher entre duas tipologias: Tipologia A – Concurso de Ideias de Negócio (para ideias de negócio ainda em fase de conceção, sem plano de negócio desenvolvido, e sem empresa constituída à data de submissão da candidatura) ou Tipologia B – Concurso de Planos de Negócio (para projetos inovadores com plano de negócio para a constituição de uma empresa que explore comercialmente o projeto, ou com empresa constituída há menos de um ano à data de submissão da candidatura).

Às ideias e planos de negócio vencedores serão atribuídos o Prémio ARRISCA C | Ideias de Negócio e o Prémio ARRISCA C | Planos de Negócio, compostos por alguns serviços como incubação gratuita numa incubadora a eleger pelo premiado, apoio na elaboração/consolidação do plano de negócios, apoio no desenvolvimento de imagem e branding corporativo, apoio de Mentoria, entre outros.

A primeira fase de apresentação de candidaturas decorre até 03 de dezembro de 2017.

A 9ª edição do “Arrisca C” é patrocinada por entidades de destaque no apoio a projetos e no tecido empresarial português.

Mais informações disponíveis em www.arrisca-c.pt e em www.facebook.com/ArriscaC.

Edifícios Centrais do Parque Tecnológico recebem novo prémio internacional

Prémio_American Arch_2017_

A excelência, a criatividade e a inovação do projeto de arquitetura dos Edifícios Centrais do Parque Tecnológico de Óbidos acabam de ser de novo distinguidas, desta vez pelo júri do prémio AAP – The American Architecture Prize™ 2017.

O projeto, da autoria do arquiteto Jorge Mealha – e que teve entre a sua equipa Andreia Baptista, Carlos Paulo, Diogo Oliveira Rosa, Filipa Ferreira da Silva, Filipa Collot, Gonçalo Freitas Silva e Inês Novais – foi um dos vencedores na categoria Architectural Design/Misc. Architecture.

O AAP abrange um total de 41 categorias, distribuídas pelas disciplinas de Arquitetura, Arquitetura de Interiores e Arquitetura Paisagista, e tem como objetivo “promover a valorização da arquitetura em todo o mundo”, lê-se no site oficial do prémio, disponível em architectureprize.com.

Refira-se que o projeto dos Edifícios Centrais do Parque Tecnológico de Óbidos tem recebido inúmeros prémios e distinções ligados à Arquitetura e ao Design. Caso do Prémio Architizer A+, do European Prize for Contemporary Architecture Mies Van Der Rohe Award ou dos German Design Awards.

Grupo de arquitetos e engenheiros húngaros elogia Edifícios Centrais

grupo_new

Mais de 40 arquitetos e engenheiros húngaros visitaram esta segunda-feira, 02 de outubro, os Edifícios Centrais do Parque Tecnológico de Óbidos.

Foco de inovação mas também uma atração arquitetónica, o edifício de linhas retas, da autoria do arquiteto Jorge Mealha, suscitou muita curiosidade e inúmeras questões relacionadas com a composição do espaço, função do edifício, mas também com os materiais utilizados.

Para os arquitetos Tamas Szentirmai e Tibor China, trata-se de um projeto “icónico” e “inspirador”, mas também muito “surpreendente”, já que consegue cruzar – de forma exemplar – a arquitetura com a função para a qual foi projetado.

Recorde-se que os Edifícios Centrais do Parque Tecnológico de Óbidos, com uma área total de construção superior a 4 mil metros quadrados, acolhe escritórios, auditório, salas de reunião, espaços de lazer, cafetaria, entre outras áreas.

Professores terminam formação em robótica com visita ao Parque Tecnológico

visita_roboIP

Promover formação especializada em diferentes linguagens de programação e da robótica é um dos objetivos do projeto educativo RoboIP – Robotic Over Internet Protocol, cujo módulo avançado do NAO Robotic Course, orientado para professores, terminou sexta-feira, 15, com uma visita ao Parque Tecnológico de Óbidos.

Durante uma semana, mais de uma dezena de professores de escolas secundárias e profissionais da Polónia, Itália e Turquia, em conjunto com o Agrupamento de Escolas Josefa D’Óbidos, estiveram em formação, com o objetivo de virem a desenvolver – entre outros projetos – soluções tecnológicas/aplicações em diferentes plataformas (iOS, Android, Windows ou Ethernut).

Este curso “não é apenas um curso técnico, uma vez que pretende estudar também a relação entre humanos e robots”, explicou Emanuele Micheli, professor e vice-presidente da Escola de Robótica de Génova, durante a visita dos professores ao Parque Tecnológico de Óbidos, parceiro estratégico deste projeto dedicado ao ensino da robótica nas escolas.

Do ponto de vista educacional, esta iniciativa “é uma experiência muito rica”, afirmou, já que os alunos terão de dominar áreas do conhecimento tão diversas como a Matemática, a Biologia, as Ciências, a Engenharia, ou até a Literatura, sustentou Emanuele Micheli.

“Temos hoje diversos países onde já é possível interagirmos com robots. Mas a robótica não é uma caixa mágica. É preciso saber interagir. Quando falamos, interagimos, temos de perceber a sua função. Esse é um dos objetivos desta formação”.

Para o Luís Franco, professor de Linguagem de Programação nos cursos de Programação do Ensino Secundário do Agrupamento de Escolas Josefa D’Óbidos, e um dos formandos deste módulo, esta é de facto “uma área que é transversal a uma série de disciplinas”. Para os alunos, “é uma forma de aprenderem sem darem por isso”.

“O ensino tem mesmo de estar virado para aqui [para esta área de conhecimento]. Vai sem dúvida enriquecer o nosso sistema de ensino”, defende. “O curso foi muito positivo e foi das melhores ações que frequentei”.

Nuno Guedes, professor do 3º Ciclo e Ensino Secundário na área das TIC e Arquitetura e Redes de Comunicação – outro dos formandos deste módulo – elogiou o projeto, lamentando o facto de os professores não terem acesso a formação deste tipo em Portugal. “Faz muita falta. É o futuro”, e “vai ser a grande oportunidade” em termos de empregabilidade.

De acrescentar que do plano de atividades a desenvolver no âmbito deste projeto educativo para o ensino da robótica nas escolas faz também parte a participação nos encontros formativos realizados em Óbidos, a participação na criação de soluções tecnológicas, a partilha de experiências e projetos desenvolvidos na área da robótica, e ainda a organização, em colaboração com a Escola de Robótica de Génova, do Festival de Robótica 2019 – a decorrer em Óbidos.

O RoboIP – Robotic Over Internet Protocol tem como parceiros a OBITEC – Associação Óbidos Ciência e Tecnologia/Parque Tecnológico de Óbidos (por Portugal), a Escola Secundária/Profissional de Slaski e a Empresa Answer2u Marcin Mazur (Polónia), duas escolas técnicas e profissionais/secundárias de Kayseri (Turquia), a Escola Secundária/Profissional de Génova e a Escola de Robótica de Génova – Centro de Educação e Formação (Itália).

Em outubro os coordenadores de cada organização parceira regressam a Óbidos para fazer ponto de situação do projeto.

HopeCare distinguida pelos Born from Knowledge Awards 2017

hope care 3

A HopeCare, empresa com ligação ao Parque Tecnológico de Óbidos, acaba de ser distinguida pelos Born from Knowledge Awards com o projeto HCAlert. Um prémio da ANI – Agência Nacional de Inovação, que este ano se juntou aos World Summit Awards para escolher, de entre os candidatos, o melhor projeto desenvolvido com base em parcerias e R&D.

O HCAlert é “um sistema analítico aplicado à telemonitorização de dados de saúde”, “com a visão de construir um hospital em casa através de uma plataforma de triagem que permite aos call centers médicos telemonitorizar dados de pacientes”, lê-se na ComputerWorld.

Baseado na cloud, o HCAlert “cria uma plataforma de alertas que liga fornecedores de e-saúde, e implementa regras clínicas e procedimentos que ajudam à triagem nos centros de atendimento médico”, lê-se na mesma publicação.

Com esta distinção, a HopeCare terá a oportunidade de participar no 27º Digital Business Congress, a ter lugar dias 27 e 28 de setembro.

‘Chic by Choice’ no ranking das ‘Europe’s 100 Hottest Startups’

ChicbyChoice

A publicação tecnológica Wired distinguiu 10 startups portuguesas no ranking das ‘Europe’s 100 Hottest Startups’. Entre elas está a ‘Chic by Choice’, uma plataforma digital de aluguer de vestidos de luxo, e que tem ligação ao Parque Tecnológico de Óbidos.

De acordo com o jornal online ‘O Observador’, a listagem anual das ‘Europe’s 100 Hottest Startups’ (100 startups mais sexy da Europa) inclui um total de 10 empresas de 10 cidades: Berlim, Barcelona, Paris, Lisboa, Istambul, Estocolmo, Telavive, Amesterdão, Londres e Helsínquia.

“Na capital portuguesa, a publicação – que é uma das principais referências na área da tecnologia, ciência, design e negócios – distinguiu a Attentive, Unbabel, Feedzai, Zaask, Misk, Landing.jobs, Uniplaces, Sword Health, Chic by Choice e Mellow. Outra startup também em destaque é a Codacy, fundada por Jaime Jorge e João Caxaria”, escreve o jornal.

Impactwave acreditada para prestar serviços via “Vale Indústria 4.0”

indústria 4.0

A Impactwave acaba de ser acreditada pelo Portugal 2020 para a prestação de serviços no âmbito do “Vale Indústria 4.0”.

A medida visa alavancar a transformação digital das PME e melhorar a sua competitividade, através da adoção de tecnologias que permitam mudanças nos seus modelos de negócio (como seja a implementação de processos associados ao comércio eletrónico, ou de serviços de terceiros nos quais se inclui assistência técnica, científica e consultoria em áreas de conhecimento relacionadas e que ultrapassem a competência dos beneficiários).

Para cada vale, o incentivo máximo que pode ser concedido é de 7.500€.

O prazo para a submissão de candidaturas decorre até 29 de setembro.

Sobre a Impactwave

A Impactwave presta serviços de consultoria digital, desenvolvendo soluções como websites, software, aplicações ou jogos, mas também equipamentos eletrónicos e experiências digitais interativas.

Nos últimos anos investiu fortemente no desenvolvimento de soluções próprias, com enfoque em aplicações e software para as áreas da Agricultura e Medicina.